O Diagnóstico e Preparação para o Tratamento de Reprodução Humana

Colocado em: Infertilidade, Perguntas & Respostas Data: 25 04 2012 Sem Comentários

Quando os resultados de todos os exames necessários para o diagnóstico de infertilidade estiverem prontos, é hora de marcar o retorno com seu especialista em Reprodução Assistida para conversar sobre o próximo passo a seguir.

Avaliando o resultado dos exames

Os resultados devem ser avaliados em conjunto pelo especialista em Reprodução Assistida e o casal. São inúmeras variáveis juntas que darão o diagnóstico final. As indicações podem ser muitas, desde o aconselhamento em manter as tentativas por mais algum tempo até as técnicas mais complexas, que requerem uma avaliação mais cuidadosa.

Dessa forma, qualquer que seja o diagnóstico, o momento mais importante é a decisão do casal junto ao profissional sobre o tratamento que irão se submeter. É muito importante abordar os pontos positivos e negativos de cada opção, suas implicações e taxas de sucesso para o seu caso específico, para que a expectativa gerada esteja de acordo com o que a ciência pode proporcionar.

Aspecto Emocional

Muitas vezes é difícil lidar com os resultados dos exames porque implica em responsabilidades e acusações. Mas não importa se foi encontrada a infertilidade no homem ou na mulher: a infertilidade é do casal e deverá ser entendida assim para ser tratada.

O casal deve focar no tratamento e aceitar que algo deve ser realizado. A conversa entre casal após a consulta com o especialista é muito importante, pois implica na análise de uma série de informações novas que trazem ansiedade e preocupação. Quanto mais detalhes forem analisados, maior o seu conhecimento e menor a ansiedade. Será um momento em que os dois deverão se unir ainda mais para alcançar a gravidez. Agora que sabem ter um problema, devem focar no tratamento.

Aspecto Financeiro

Como já descrito no post anterior, os custos dos tratamentos de infertilidade são elevados devido à infra-estrutura e tecnologia específica. Portanto, além do aspecto emocional, o casal deve conversar sobre o aspecto financeiro do tratamento indicado, e se programar para sua execução (o que envolve, em alguns casos, mais de uma tentativa).

Felizmente, existem alguns projetos que auxiliam casais comprovadamente de baixa renda com o abatimento de parte dos custos no tratamento. Um exemplo disso é o Programa Acesso da empresa de medicamentos Merck-Serono. Se aprovado no programa, de acordo com os critérios de inclusão do Programa Acesso e com algumas restrições, o casal pode obter descontos nos medicamentos utilizados no tratamento. Além disso, cada clínica pode oferecer, segundo seus critérios, descontos nos honorários médicos para esses casais (uma vez que os custos de materiais e despesas do laboratório são fixos), ou nos casos de mais de uma tentativa.

O casal precisa se programar para os gastos do tratamento, e estar ciente do investimento a ser feito, incluindo as chances de sucesso e o risco de ser necessária mais de uma tentativa.

Dessa forma, consciente de todos os pontos negativos e positivos, o casal não perde tempo nem oportunidades de sucesso, e não se desgasta emocionalmente, visto que estão preparados para o que vem pela frente. O tratamento pode ser realizado da melhor maneira, e já tendo em vista outras opções disponíveis caso a gravidez não venha logo na primeira tentativa.

Equipe Infert
InFert – Instituto de Fertilização Assistida
www.InFert.com.br

O Diagnóstico e Preparação para o Tratamento de Reprodução Humana

Colocado em: Infertilidade, Perguntas & Respostas Data: 25 04 2012 Sem Comentários

Quando os resultados de todos os exames necessários para o diagnóstico de infertilidade estiverem prontos, é hora de marcar o retorno com seu especialista em Reprodução Assistida para conversar sobre o próximo passo a seguir.

Avaliando o resultado dos exames

Os resultados devem ser avaliados em conjunto pelo especialista em Reprodução Assistida e o casal. São inúmeras variáveis juntas que darão o diagnóstico final. As indicações podem ser muitas, desde o aconselhamento em manter as tentativas por mais algum tempo até as técnicas mais complexas, que requerem uma avaliação mais cuidadosa.

Dessa forma, qualquer que seja o diagnóstico, o momento mais importante é a decisão do casal junto ao profissional sobre o tratamento que irão se submeter. É muito importante abordar os pontos positivos e negativos de cada opção, suas implicações e taxas de sucesso para o seu caso específico, para que a expectativa gerada esteja de acordo com o que a ciência pode proporcionar.

Aspecto Emocional

Muitas vezes é difícil lidar com os resultados dos exames porque implica em responsabilidades e acusações. Mas não importa se foi encontrada a infertilidade no homem ou na mulher: a infertilidade é do casal e deverá ser entendida assim para ser tratada.

O casal deve focar no tratamento e aceitar que algo deve ser realizado. A conversa entre casal após a consulta com o especialista é muito importante, pois implica na análise de uma série de informações novas que trazem ansiedade e preocupação. Quanto mais detalhes forem analisados, maior o seu conhecimento e menor a ansiedade. Será um momento em que os dois deverão se unir ainda mais para alcançar a gravidez. Agora que sabem ter um problema, devem focar no tratamento.

Aspecto Financeiro

Como já descrito no post anterior, os custos dos tratamentos de infertilidade são elevados devido à infra-estrutura e tecnologia específica. Portanto, além do aspecto emocional, o casal deve conversar sobre o aspecto financeiro do tratamento indicado, e se programar para sua execução (o que envolve, em alguns casos, mais de uma tentativa).

Felizmente, existem alguns projetos que auxiliam casais comprovadamente de baixa renda com o abatimento de parte dos custos no tratamento. Um exemplo disso é o Programa Acesso da empresa de medicamentos Merck-Serono. Se aprovado no programa, de acordo com os critérios de inclusão do Programa Acesso e com algumas restrições, o casal pode obter descontos nos medicamentos utilizados no tratamento. Além disso, cada clínica pode oferecer, segundo seus critérios, descontos nos honorários médicos para esses casais (uma vez que os custos de materiais e despesas do laboratório são fixos), ou nos casos de mais de uma tentativa.

O casal precisa se programar para os gastos do tratamento, e estar ciente do investimento a ser feito, incluindo as chances de sucesso e o risco de ser necessária mais de uma tentativa.

Dessa forma, consciente de todos os pontos negativos e positivos, o casal não perde tempo nem oportunidades de sucesso, e não se desgasta emocionalmente, visto que estão preparados para o que vem pela frente. O tratamento pode ser realizado da melhor maneira, e já tendo em vista outras opções disponíveis caso a gravidez não venha logo na primeira tentativa.

Equipe Infert
InFert – Instituto de Fertilização Assistida
www.InFert.com.br

Escolha da Clínica de Reprodução Humana

Colocado em: Perguntas & Respostas Data: 02 04 2012 Sem Comentários

Escolha da clínica de reprodução humana

A escolha da clínica especializada em Reprodução Assistida é muito importante para o tratamento, pois há necessidade de se ter confiança nos profissionais e na tecnologia envolvida.

A infra-estrutura necessária para que o tratamento seja eficiente e seguro demanda um ambiente muito específico, com investimentos pesados em equipamentos, materiais e estrutura física, que não são possíveis aos consultórios de ginecologia comuns. O laboratório exige controles rigorosos e atualizados, e profissionais especializados, treinados e com dedicação exclusiva.

O casal deve procurar saber quais tratamentos a clínica escolhida disponibiliza e se realmente é o melhor que pode ser aplicado em seu caso. Os avanços nesta área têm ocorrido rapidamente e o conhecimento atualizado e bom senso do profissional são sempre necessários para não expor os casais a tratamentos experimentais e resultados eticamente duvidosos. Avanços são bons, mas devem ser utilizados com responsabilidade e ética acima de tudo.

Um fator não tão determinante na escolha é a localização da clínica, visto ser simples e possível a realização do tratamento fora de sua cidade. A consulta inicial deve esclarecer os principais pontos e dúvidas do tratamento e estabelecer a ponte de relacionamento médico-paciente. Se houver simpatia e determinação para realizar o tratamento, então muitos dos preparativos preliminares podem ser resolvidos a distancia, na cidade da paciente, sem precisar se deslocar até a clínica. Dessa forma, o período máximo de permanência da mulher na clínica para o tratamento gira em torno de 10 dias, e a presença do parceiro é necessária praticamente só no dia da coleta de sêmen.

Custo dos tratamentos

Uma das coisas que assustam o casal quando inicia a procura pelos tratamentos é o preço, que em geral envolve um valor relativamente elevado. Isto se deve a infra-estrutura sofisticada, equipamentos importados, materiais estéreis de ótima qualidade, medicações específicas para reprodução humana, hormônios e insumos laboratoriais importados e constante atualização dos profissionais envolvidos.

Em geral, os valores do tratamento podem ser discriminados nos seguintes custos:

  • Ultrassonografias;
  • Medicamentos para indução da ovulação;
  • Laboratório de Andrologia (análise e preparação do sêmen);
  • Centro cirúrgico e internação para coleta de óvulos ou punção de epidídimo/testículo;
  • Laboratório de Fertilização in vitro (preparação e injeção dos óvulos, cultivo e transferência de embriões);
  • Laboratório de criopreservação (congelamento e descongelamento de gametas e embriões em nitrogênio liquido);
  • Além de honorários dos especialistas em Reprodução Assistida (ginecologistas, urologistas e embriologistas) e demais profissionais envolvidos (anestesistas, enfermeiros e etc).

Infelizmente, os tratamentos em geral ainda não são cobertos por nenhum plano de saúde e os poucos serviços públicos os realizam possuem grandes filas de espera e restrições na escolha dos casais que irão fazer tratamento.

Portanto, o casal deve se programar para os gastos e o tempo de tratamento, além de se preparar emocionalmente. Afinal, a realização de um sonho não deve ser desperdiçada com contratempos, mas transformada em oportunidade para valer cada centavo e emoção despendida.
Tipos de Tratamentos e Tecnologia.

Além de conhecer a clínica e saber os valores dos procedimentos, é muito importante observar os tipos de tratamentos que são disponibilizados e como eles funcionam. O paciente deve procurar esclarecer com seu especialista as diferenças das tecnologias e tratamentos existentes para o seu diagnóstico específico, ou seja, o que será realmente útil e importante no seu caso em particular na opinião do especialista e das pesquisas, e avaliar junto com o profissional o por que de realizar um ou outro procedimento.

Por último, é importantíssimo que a clínica escolhida tenha tecnologia e profissionais atualizados constantemente em congressos e workshops, com os laboratórios devidamente adequados às requisições da ANVISA, trabalhando dentro das diretrizes do Conselho Federal e Conselhos Regionais de Medicina.

Dessa forma, o paciente pode ficar tranqüilo em relação à escolha da clínica, sabendo que estão a sua disposição os conhecimentos e as tecnologias mais modernas para seu tratamento em Reprodução Assistida.

Para as pessoas que possuam maiores dúvidas, o InFert disponibiliza um material por email contento várias explicações específicas sobre os nossos serviços, bem como a discriminação de todos os custos de um tratamento em nossa clínica. Mande um email para infert@infert.com.br solicitando o envio dos valores, que entraremos em contato o mais rápido possível.

Equipe Infert
InFert – Instituto de Fertilização Assistida
www.InFert.com.br

Quando a gravidez não vem

Colocado em: Infertilidade Data: 13 03 2012 3 Comentários

Quando a gravidez não vem 12.03.12

“Decidimos engravidar, nos prevenimos contra a infertilidade e temos conhecimento de como funciona a gravidez, mas a gravidez não vem. E agora?”

Muitos casais se vêem na situação acima, e não sabem a quem recorrer quando estão tentando engravidar.

Infelizmente, grande parte deles espera a gravidez chegar naturalmente e deixam o tempo passar, demorando muito tempo até procurar ajuda de um especialista.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a infertilidade caracteriza-se pela ausência de gravidez após um ano de vida sexual ativa frequente sem o uso de métodos contraceptivos. Caso a gravidez não ocorra após este período de tentativas, pode estar ocorrendo algum problema que esteja dificultando a gravidez.

Este período de espera existe porque a gravidez pode não ocorrer simplesmente por questões estatísticas, ou seja, o espermatozóide e o óvulo podem simplesmente não estarem se encontrando para gerar uma criança, ou ocorreu esse encontro (fertilização), mas não houve implantação deste embrião no útero.

E mais, estima-se que as chances médias de um casal fértil e saudável engravidar, em um ano, é em torno de apenas 10-20%. Isto significa que de cada 10 casais férteis e saudáveis, somente 1 ou 2 engravidarão por ano.

A maioria dos casais com dificuldades em engravidar não são estéreis, porém são  subférteis, ou seja, têm uma chance reduzida de conceber espontaneamente. E são essas chances que devemos avaliar com ajuda dos exames.

No passado, muitas mulheres foram desprezadas e culpadas por não conseguirem engravidar de seus maridos, pois não era imposta ao homem nenhuma responsabilidade sobre a ausência de gravidez. Hoje, sabemos muito bem que a infertilidade é de causa feminina em cerca de 40% dos casos, e masculina em outros 40%. No restante, a infertilidade resulta de problemas em ambos os parceiros ou é idiopática (sem causa aparente).

A presença da infertilidade idiopática pode, na realidade, possuir uma ou mais causas, como falha na captação do óvulo pela tuba (“ovulação”), falhas de fertilização (defeitos nos espermatozóides ou óvulos de má qualidade), e falhas de implantação (dificuldade no embrião se fixar ao útero). Não podemos ainda determinar com precisão o que acontece nesses casos, no entanto, sempre surgem novas tecnologias que nos apóiam na pesquisa dessas causas e em seus tratamentos mais adequados.

Portanto, após um ano de tentativas, é importante procurar ajuda médica de um especialista em Reprodução Humana para realização de uma série de exames básicos, realizados tanto no homem quanto na mulher, que irão identificar algum problema orgânico que possa estar dificultando a gravidez, principalmente se a idade da mulher está chegando aos 35-37 anos.

É sempre bom lembrar que os exames devem ser realizados tanto na mulher quanto no, porque a dificuldade para engravidar é sempre do casal. A participação harmônica de ambos é necessária não só pelos problemas orgânicos a serem identificados, mas também para o apoio emocional incondicional que os cônjuges podem dar neste momento de tensão e stress.

Dr. Joaquim R.M. Coelho (CRM: 42.069)
Dr. Jorge Barreto (CRM: 33.541)
InFert – Instituto de Fertilização Assistida

www.InFert.com.br