Infertilidade masculina – Um desafio que pode ser vencido

Colocado em: Fertilização in vitro, ICSI, Tratamentos contra infertilidade Data: 10 11 2009 14 Comentários

A Infertilidade pode ser de fator feminino, masculino ou no casal (ambos). Abaixo, iremos tratar com mais ênfase dos problemas ligados ao homem.

Usaremos o termo Infertilidade em sua concepção mais atual, que designa todos os casos de dificuldade em engravidar, ou casos em que a mulher engravida e não conseguem levar a gravidez adiante.

As causas de infertilidade são atribuídas em 50%, mais ou menos, no homem e na mulher. Assim, mesmo as causas masculinas sendo tão relevantes, muitos homens agem com certa resistência na investigação diagnóstica. Este fato está ligado às condições culturais e à desinformação, pois a incapacidade de se conseguir uma gravidez não está necessariamente relacionada à impotência, o “bicho-papão” de todo homem.

Até bem pouco tempo, muitos homens foram rotulados de inférteis, e dado um diagnóstico de que não poderiam jamais alcançar a paternidade. Muita coisa mudou, e hoje muitos homens podem ser pais graças às novas técnicas de Reprodução Assistida. Uma dessas técnicas requer a seleção de somente um espermatozóide que é injetado diretamente dentro do óvulo, a Injeção Intracitoplasmática de Espermatozóides (ICSI- Intracytoplasmic Sperm Injection), que será descrita a seguir.

Sabe-se que a espermatogênese (processo de desenvolvimento do espermatozóide a partir de uma célula germinativa primária – a espermátide) dura em torno de 80 dias. Isto é, o homem renova todo seu estoque de espermatozóides em 2-3 meses, diferententemente da mulher que já nasce com todos os óvulos que terá a vida inteira, somente amadurecendo um lote de folículos a cada período fértil. Uma implicação imediata deste fato é que uma amostra colhida hoje reflete fatos ocorridos nos últimos 2-3 meses, como por exemplo, processos febris ou doenças, que podem influenciar negativamente nesta amostra.

Portanto, fica claro que é essencial a análise do fator masculino.

Dentre os exames pedidos, destaca-se o Espermograma – exame básico para análise seminal. A coleta do sêmen deve ser realizada por masturbação, e após período de abstinência sexual de 48-72 horas. A interpretação dos resultados da análise do sêmen é freqüentemente dificultada por erros nos valores considerados normais ou de referência, além de muitas análises incompletas, dificultando as conclusões. Por estes fatos:

  • renovação freqüente dos espermatozóides, erros laboratoriais e infecções recentes, é que sempre recomendamos uma análise recente e no laboratório de uma Clínica de Reprodução Assistida.

Consideram-se, resumidamente como valores normais de um Espermograma, concentração com valores acima de 20 milhões por ml de espermatozóides em ejaculado de volume entre 2-5 ml, que apresentam pelo menos 50 % de espermatozóides móveis com progressão rápida e direcionada, pelo menos 14% de formas normais (segundo Kruger) e sem sinais de infecção. Casos que fogem a estes parâmetros devem ser melhor estudados.

Fatos relevantes a serem observados:

  • História de lesão traumática do testículo, cirurgias (varicocele, hérnias, criptorquidia, prostatectomias), parotidite epidêmica aguda (caxumba) ou doenças venéreas.
  • Doenças sistêmicas com diabetes, doenças neurológicas e também prostatectomias, associadas à impotência e ejaculação retrógrada (quando ocorre a ejaculação para dentro da bexiga).
  • Calor. Uma ligeira elevação de temperatura nos testículos pode afetar, de maneira adversa a espermatogênese, e uma doença febril pode produzir alterações muito grandes no número e motilidade dos espermatozóides.
  • Exposição a radiações ambientais ou radioterapia.
  • Utilização de medicamentos e drogas como maconha, cocaína e outras.
  • Fumo, álcool e stress.

Se não for individualizado um fator importante, há o encaminhamento para uma avaliação com o urologista, em geral integrante da Clínica de Reprodução Assistida especializado em avaliar casos de infertilidade.

Casos de Azoospermia (ausência de espermatozóides no sêmen) podem estar associados à agenesia (falta congênita) do canal deferente, obstruções pós-infecção, causas hormonais e causas genéticas com a Síndrome de Klinefelter. Uma das soluções para os casos graves (Azoospermia), é conseguir a gravidez utilizando sêmen de doador para realização da Inseminação Artificial. Este sêmen usado é sempre de doador anônimo, proveniente de Banco de Sêmen especializado, em que se realizam inúmeros testes como aids, hepatite, e outras doenças venéreas.

A avaliação preliminar do casal infértil, da qual faz parte a investigação completa da mulher e outros exames gerais do casal, dará uma idéia do tipo adequado de tratamento será utilizado e se será realizado.

Enquanto a Inseminação resolve os casos mais simples, associados a Oligoastenozoospermias  leves ( baixa quantidade e mobilidade de espermatozóides ), os casos mais sérios irão necessitar de técnicas mais complexas, como a ICSI Convencional e a ICSI Magnificada ou SUPER ICSI.

A Inseminação Artificial é a seleção dos melhores espermatozóides (obtidos do sêmen do marido ou doador) no Laboratório de Andrologia e a colocação dessa amostra, através de um cateter, dentro da cavidade uterina da esposa.

Esses espermatozóides deverão migrar até o óvulo, nas trompas, local da fertilização. Para esse tratamento são utilizados medicamentos (horrmônios que estimulam a ovulação), controle ultrassonográfico para identificação do dia da ovulação, e coleta de amostra fresca do sêmen no dia da inseminação, que coincidirá com o dia da ovulação.

As técnicas mais complexas (ICSI Convencional e Magnificada ou Super ICSI) são utilizadas em casais, que dentre outras causas, sofrem de uma baixa qualidade espermática, até casos onde não se observa espermatozóides no sêmen (azoospermia).

A FIV – Fertilização in vitro clássica ou bebê de proveta, é a realização da fertilização do óvulo em laboratório , colocando estes óvulos em cultura e ambiente controlado, junto a uma amostra de sêmen preparado, para ocorrer a fertilização espontânea. Os embriões formados são transferidos entre 2 e 5 dias da incubação dos óvulos com os espermatozóides.

A ICSI Magnificada ou SUPER ICSI é um avanço recente na técnica de fertilização in vitro, onde esta fertilização é conseguida por injeção de apenas um espermatozóide (selecionado rigorosamente através de um aumento superior à 6.300x) diretamente no citoplasma do óvulo, através de equipamentos especiais no Laboratório da Clínica de Reprodução Assistida.

Como na Inseminação, também é necessário preparo prévio da mulher, usando mais medicamentos para que se faça a coleta de vários óvulos, guiada por ultra-som, sob sedação leve e indolor. Esse tratamento, se realizado dentro de um Hospital, gera maior comodidade e segurança ao casal. Nesse tratamento já se coloca o embrião pronto através de finos cateteres no útero da mulher, e após 14 dias da transferência dos embriões, saberemos o resultado por exame de sangue específico, para detectar a gravidez.

Vemos então que, até bem pouco tempo, homens com poucos espermatozóides saiam de uma consulta médica completamente sem esperanças e, hoje a tecnologia trouxe novas oportunidades de se conseguir uma gravidez com seu próprio material genético. As chances de gravidez pularam de zero para algo em torno de 30 % para os casos de Inseminações, até índices em torno 60 % na ICSI Magnificada ou SUPER ICSI.

Ainda pensamos na maternidade como anseio central da mulher, mas não devemos esquecer que a paternidade também completa o homem. É muito importante a pesquisa da Infertilidade e meios adequados de tratá-la, para que este momento tão importante seja feliz e complete o casal.

Dr. Joaquim R.M. Coelho (CRM: 42.069)
InFert – Instituto de Fertilização Assistida
www.InFert.com.br

14 Comentários em “Infertilidade masculina – Um desafio que pode ser vencido”

  1. elda disse:

    Olha sempre leio as matérias…gostaria mesmo é de saber quanto fica para fazer a inseminação….tenho 12 anos e meio de casada e ainda não conseguimos ter o nosso filho, gostaria de receber uma resposta. Desde já agradeço.

    Elda e João Batista

  2. Olá Elda!

    Que bom que gosta das matérias. Ainda estamos em processo de melhorias, continue entrando!

    Quanto aos valores, dependem dos tratamentos empregados. Para saber direito qual o seu problema, pedimos que envie um email para infert@infert.com.br com todas suas dúvidas. Assim, poderemos te passar os valores aproximados.
    Se quiser, passe por email seu telefone e melhores horários para contato que te retornaremos.

    Atenciosamente,
    Dr. Jorge Barreto e Dr. Joaquim Coelho

  3. donizeti j silva disse:

    GOSTARIA DE SABER SE A CHANCE DE UMA PESSOA COM AZOOSPERMIA EMGRAVIDAR UMA MULHER?

  4. InFert disse:

    Boa tarde Donizeti,

    Primeiramente deverá ser realizada uma avaliação clínica. Se for constatado realmente a azoospermia, sem possibilidade de retirada de espermatozóides do testículo, ainda existe a utilização de sêmen de doador na Reprodução Assistida para a Inseminação Artificial ou ICSI (Fertilização in vitro).

    Se você não produzir espermatozóides não tem como realizar com os seus próprios.

    O tratamento funciona da seguinte maneira. Orientamos o casal para que nos informe suas característica fenotípicas (cor de olhos, cabelo, pele, altura, constituição óssea, etc). Assim, o doador escolhido terá as mesmas características do casal. Além disso, os doadores passam por avaliações médicas que comprovem que são saudáveis.

    Por lei a doação é anônima, gratuita e voluntária. São assinados Consentimentos, garantindo tais condições.

    O ideal seria marcar uma consulta de análise clinica com um dos nossos ginecologistas, para que alguns exames sejam prescritos para investigarmos a saúde reprodutiva da mulher. Só assim é que se pode determinar com certeza qual o tratamento indicado para o seu caso (Inseminação Artificial ou ICSI). O mais importante destes exames é a Histerosalpingografia, que mostrará algumas características importantes do útero e trompas.

    A InFert realiza consultas em São Paulo (Capital) e Ribeirão Preto (Interior).
    1. Utilize uma das cidades para realizar uma consulta inicial.
    2. Os exames necessários ao tratamento podem ser realizados em sua Cidade.
    3. Estes exames podem ser enviados via e-mail ou fax.
    4. Após a análise do seu caso, prescrevemos os medicamentos que devem ser adquiridos e como/quando devem ser tomados.
    5. Calculamos o dia do primeiro controle de ovulação, que deverá ser realizado na InFert. Neste dia a mulher deverá comparecer à clínica.
    6. O tempo total estimado desde o primeiro controle da ovulação até a transferência embrionária é de 5-10 dias (caso for realizada a ICSI)
    7. Assim, o período necessário que o casal esteja hospedado próximo à InFert é de, aproximadamente, de 5-10 dias.

    Qualquer dúvida entre em contato em infert@infert.com.br

    Atenciosamente,
    Equipe Infert

  5. Paula disse:

    Olá…
    Gostaria de saber se um homem que tem pouco espermatozoides,pode engravidar uma mulher mesmo sem fazer nenhum tipo de tratamento?

  6. Equipe InFert disse:

    Olá Paula,

    Depende da qualidade seminal. Para saber melhor é necessário a realização de um Espermograma.

    Att,
    Equipe INFert

  7. marcelo disse:

    olá eu tenho varicosele gostaria de saber se a possibilidade ou se tem algum exame que me permita saber o tempo da minha em que eu fiquei infertil tenho 35 anos
    agurdo resposta obrigado

  8. Jacy disse:

    Olá…

    Meu esposo tem 2.500.000 de espermatozóides normais, será que conseguirei engravidar naturalmente, ou não caso não faça algum outro tratamento?

    Abraço

  9. Emanuela disse:

    Olá. Meu marido e eu estamos tentando engravidar por quase dois anos. Ele fez o espermograma e os resultados foram 12.2 milhoes por ml, 12% mobilidade e 9% normais. Com esse resultados, quais as chances de uma gravidez natural? Se tivermos q fazer tratamentos, quais seriam os ideais?

  10. Equipe InFert disse:

    Bom dia Marcelo,

    Nos envie o Espermograma pelo email infert@infert.com.br. Talvez seja necessário a realização de um Espermograma Completo em nossos laboratórios.

    Att,
    Equipe INFert

  11. Renata disse:

    Olá meu namorado fez oexame esrmograma a quase 2 anos atrás e o resultado deu que ele só tinha 0,01% de engravidar. Queria saber se tenho chance de engravidar?

  12. Izamara disse:

    Ola!meu esposo tem poblema pra fazer filho mais o poblema dele é pouco espermatozoide q ele tem. mais pode correr o risco de engravidar?e tem remedio pra poder gerar mais ejaculação?

  13. Katia disse:

    Ola Dr,
    Meu marido fez 2 espermogramas recentemente,o primeiro constou raros espermatozoides no ejaculado,o numero era tao pequeno que nao puderam fazer as demais analizes,20 dias depois repetiu no fleury e o resultado foi ausencia de espermatozoides.Gostaria muito de saber se a azoospermia pode ter relacao com peneumotarax que ele quando adolescente teve.Quais os exames fundamentais para saber se e uma azoospermia obstrutiva ou nao obstrutiva?
    Muito Obrigada Dr,
    Katia,

  14. InFert Equipe disse:

    Boa tarde

    Responderemos todos os comentários por email.

    Atenciosamente,
    Equipe InFert
    http://www.infert.com.br

Deixe o seu Comentário